.Maio 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Remexer gavetas

 

.Cuecas frescas

. Afinal, isto tem um final...

. Vamos a elas!

. Todos gabarolas, todos ig...

. O que os homens querem!

. Uma relação! O ponto de v...

.Cuecas sem elástico

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.Elásticos

.Segue-nos!

Sábado, 16 de Junho de 2007

Uma questão de peso...

     vs    

 

Vivemos num sociedade em que a beleza é sobrevalorizada. Há 50 anos atrás, "gordura era formosura", hoje a ideia é precisamente o contrário.
Mulheres magras, pode dizer-se que tenham a vida mais facilitada em certos campos, mulheres gordas, pode dizer-se que tenham dificuldades nesses mesmos campos.
O politicamente correcto aqui é dizer que cada um sente-se (ou devia sentir-se) bem com a forma como é e o peso que tem. No entanto, todos sabemos que não assim que as coisas funcionam. O objectivo de qualquer pessoa com excesso de peso, é efectivamente emagrecer.
As mulheres magras acabam sempre por comentar "Aquela está tão gorda, devia concorrer a Miss Sereia (metade mulher e metade baleia)". Ficam na dúvida porque será que as dietas não resultam, e acham que as amigas gordas comem doces às escondidas.
E as mulheres gordas acabam sempre por comentar "Ai que magra, deve passar fome". E ficam na dúvida sobre que segredo têm as magras para se manterem assim.
Faz parte da mulher picar-se por qualquer razão, e nada melhor que a beleza para muitas vezes se chegar a extremos.
Magras: como reagem quando vos dizem "Estás tão magra, não comes?".
Gordas: como reagem quando vos dizem "Estás tão gorda, se calhar uma dieta não era má ideia"?
Homens magros ou gordos: o que preferem?
Terça-feira, 12 de Junho de 2007

Elas nuas?... pode ser melhor!

Nu feminino
Não gosto de ver gajas, miúdas, mulheres totalmente nuas. Bom... todas não, mas o que quero dizer é que o nu feminino não tem expressão. É mudo.
A par do nu masculino, a mulher não tem nada. Sexualmente só mesmo o peito, e mesmo assim, há peitos que... enfim. As linhas da barriga, contornam o útero e convergem para um "nada"! A vagina pouco ou nada tem para se ver. E quando se vê ou é redondinha (que é bom), ou acaba por ser inestética, contribuíndo para um ruído da imagem feminina que podemos desfrutar na Arte.

Por favor, usem e abusem de lingerie. E não estou a falar de um par de cuecas ou de uma tanga. Estou a falar da arte de bem vestir por baixo das roupas. Ousar na fantasia.
Ser fashion, fazer dietas, andar em ginásios, e bronze não chega. Se é possível ter mais e melhor, isso não chega.
O nu feminino é seco. Porque não molhá-lo mais?

Nós prometemos tirar as meias, mas vocês têm que se apresentar como deve ser. Depois, tira-se tudo porque já não importa, mas por uns segundos, vale a pena. Obrigado!
AlfmaniaK
Estampa: Exigente
tags:
Sábado, 9 de Junho de 2007

Sobre o egoísmo dos homens...

 

 

A diferença entre homens e mulheres manifesta-se de variadíssimas maneiras. Também no egoísmo os dois são diferentes.

 

Correndo o risco que se corre quando se generaliza sobre qualquer que seja o assunto acho que os homens são egoístas. É um facto!

 

Poderão responder que também há mulheres egoístas. Sim é outro facto, mas a diferença é que os homens são egoístas e mulheres egoístas! Tanto é da natureza do homem ser egoísta, como é da natureza da mulher ser generosa.

 

Os homens vêem-se como o centro do universo e gostam pouco da palavra partilhar, sobretudo quando se vêem obrigados a partilhar qualquer “coisa” que julguem ser deles, qualquer coisa que faça parte do território deles. Se não vejamos:

 

- Como é que vai ser o teu dia?

- … (tratar de uma série de coisas para a casa) … e depois tenho de ir dar o jantar à minha mãe. Não sei a que horas volto.

- E as tuas irmãs?

- A minha irmã U vai sair com o Z, a I esteve lá ontem, a T esteve ao almoço.

- E a J?

- Já sabes que não se pode contar com a J. Ela tem uma vida complicada por causa do estupor do D.

- E eu janto sozinho?

- Sim, deixo tudo preparado.

… Silêncio …

- Tu também tens marido, porquê que tens de ser tu?

- Porque amanhã é que é o dia da U e vai ser a vez do Z jantar sozinho.

- Mas porquê que não falam à J? Eu também posso começar a fazer-me de difícil.

- É lá com ela. Já tenho chatices que cheguem. Só me preocupo com a minha consciência. Cada um que se preocupe com a sua.

- Mas não é justo. São sempre os mesmos. És sempre tu.

- Estás a dizer isso porque não gostas de ficar sozinho, não por estares preocupado comigo.

- Pronto não se pode falar nas maninhas que ficas impossível. Pronto não digo mais nada. Sempre quero ver se amanhã vai a U e o Z fica sozinho…

(no dia seguinte em conversa com a minha irmã U chegámos à conclusão que os dois - J e Z - fazem as mesmas cenas…)

 

As mulheres podem fazer o que quiserem desde que não lhes roubem a atenção que eles querem ter em exclusividade…

 

Agora o que mais me custa nisto tudo é que os homens são assim por nossa causa! Somos nós, mulheres, que mais contribuímos para que eles sejam assim. Somos nós, mulheres. Somos nós, mães.

 

Começam por ser as mães a achar graça às brincadeiras brutas “à homem”, são as mães que exigem menos aos rapazes do que às raparigas quando se trata de tarefas domésticas, são ainda as mães que acham graça à maneira desprendida como eles tratam algumas amigas ou namoradas – “… tem uma menina que não o larga, mas ele não lhe liga nenhuma…, dizem com algum orgulho (!) – é o ar de mães aliviadas por terem um rapaz quando se fala em educação sexual (os pais das raparigas que se preocupem…). Enfim poderia continuar com mais exemplos mas acho que estes já chegam.

 

Depois nós, mulheres, que tendemos a ser um bocado “maternais” nas nossas relações quando somos atenciosas, quando facilitamos as coisas… até percebermos que muitas vezes entramos numa “rua de sentido único”!

 

Quando será que começamos a educar melhor os nossos homens?

 

Quando será que deixamos de ver as nossas noras como uns estupores que tratam tão mal os nossos filhos, e de sorrirmos em relação às manias tão engraçadas dos nossos genros?

 

Quando será que começamos a “ensinar a sensibilidade” aos nossos filhos sem medo que eles venham a ser vistos como gays?

 

É claro que eles também podiam aprender um bocadinho com a vida não?

 

Mas a verdade é que o egoísmo gera insensibilidade…

 

 

.Estendal